16 de mai de 2012


Recomeça no dia 19 de maio o Plano de Gestão Territorial das Terras Indígenas

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) realiza, no período de 23 a 26 de maio, mais uma oficina para 17 aldeias localizadas nas áreas de influência do Rio Cururu. A carga horária da oficina é de 32 horas e a formação faz parte do Plano de Gestão Territorial das áreas indígenas no município de Jacareacanga, que teve início em novembro de 2011.

O Plano tem como objetivo dar autonomia aos indígenas para administrar suas terras tendo a parceria inicial de órgãos da esfera federal, no caso, a Fundação Nacional do Índio (Funai), e da esfera municipal, como a Prefeitura de Jacareacanga. Além destas instituições, existem acordos firmados com a Secretaria de Estado e Meio Ambiente (Sema) e Museu Paraense Emílio Goeldi, para apoio. Também está confirmada a presença da Funai Nacional e, a serem confirmados, representantes do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

Segundo Maria da Graça Amaral, socióloga da Emater, a oficina será ministrada na aldeia das Missões Franciscanas e tem como objetivo propor alternativas, levantadas pelos próprios índios, juntamente com técnicos da Emater, os quais vão discutir o conceito de gestão ambiental e territorial, além da construção da visão de futuro a partir da implantação do Plano, que contemplará primeiramente 17 aldeias de um total de 112. Nesta aldeia, há 100 anos, os padres franciscanos difundiram o ensino religioso cristão e levaram pequenas criações de gado. As aldeias já possuem postos de saúde e escolas. “As discussões geradas na oficina fazem parte do Diagnóstico Indígena Participativo e vão subsidiar os Programas e projetos, que na percepção dos indígenas, são importantes para a sobrevivência e sustentabilidade do povo munduruku”, disse Graça Amaral.

A oficina contará com a participação de um facilitador, o sociólogo indigenista Camilo Caropreso, e terá apoio de 20 técnicos, sendo 10 deles da Emater e 10 divididos entre Funai e Prefeitura Municipal de Jacareacanga. Primeiramente, será feito o retrospecto da oficina anterior, em seguida, o diagnóstico indígena, o etnomapeamento e o etnozoneamento, que consiste em orientações sobre práticas de utilização de GPS e metodologias participativas, para possibilitar aos indígenas autonomia para fazerem o levantamento da vegetação, da botânica, de sua cultura, tradições e artesanato.

Pelo fato da situação nutricional ser ainda muito precária, alguns técnicos da Emater já promoveram oficina sobre a melhoria da qualidade da produção de farinha de mandioca, além de orientar para a melhoria do cultivo de frutas como melancia, maracujá, limão e também ao manejo extrativismo do açaí nativo. No final da oficina, será elaborado um calendário a definir novas oficinas e estudos da realidade indígena.

Texto:
Marcelo Souza Nascimento - Emater

Nenhum comentário:

Empreendedoras de Itaituba vencem Prêmio do Sebrae estadual

Por Jota Parente Empreendedoras de Itaituba estão entre as três vencedoras da etapa estadual do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios, premiação...

Postagens mais visitadas