21 de dez de 2012


Indígenas de Jacareacanga são capacitados a produzir farinha

ASCOM

Da Redação Agência Pará de Notícias
 

Vinte e três indígenas de aldeias que ficam na margem do rio tapajós, em Jacareacanga, participaram no período de 6 a 10 de dezembro da capacitação de melhoramento da qualidade da farinha e derivados da mandioca, como tucupi, farinha de tapioca, goma da tapioca e o bolo da massa puba. A atividade foi promovida pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater), em parceria Secretaria Indígena do Município (Semai) e Secretaria Municipal de Agricultura, na aldeia Karapanatuba. A produção de farinha dos indígenas era vendida, antes, a R$ 0,80. Após a capacitação com a farinha, já qualificada, passou a custar R$ 3 o quilo.

Segundo o ministrante do curso, o técnico Raimundo Delival, chefe do escritório local da Emater no município, os participantes receberam demonstrações técnicas de plantio de sementes, espaçamento, seleção de mudas e todo o processo de beneficiamento da mandioca para fazer a farinha melhorada e seus derivados, nos cincos dias de treinamentos. “Durante todo o treinamento estavam presentes dois técnicos, um da Secretaria Municipal de Agricultura e outro da Semai, me ajudaram em todo o treinamento e serem preparados como multiplicadores”, ressaltou Delival.

Raimundo Delival informa que o mercado já está sendo preparado para absorver essa produção de farinha melhorada. O empresário Edvaldo Silva considera que essa especialização garante uma boa produção e deve adquirir cerca de 50 sacos do produto, por mês. Já o empresário Paulo Viana disse que agregar valores é garantir aos produtores indígenas uma renda melhor e a certeza de um bom produto nas prateleiras dos supermercados da cidade, “Se a comunidade continuar a produzir dessa forma, faremos a aquisição de 30 sacos por mês”, garantiu o comerciante.

Com a possibilidade de um maior retorno financeiro, o tuxaua Abrão, da aldeia Karapanatuba, considerou muito positivo ter participado do curso, já que a produção de farinha com qualidade e técnica, ofertada por profissional da Emater, “só vai valorizar cada vez mais os produtos da roça”.

O vice-prefeito do município, Roberto Crixi, destaca que a comunidade indígena passa agora a produzir uma farinha de qualidade, garantindo um preço melhor para o seu povo. “Esta atividade terá o nosso apoio para que possa de estender para outras aldeias essa iniciativa, e que pode contar com seu apoio, pois somente assim as comunidades terão garantias de uma produção rentável”, afirmou.

Já o secretário indígena do município, Ivânio Alencar, afirmou que essa parceria irá continuar ao longo dos anos, e que as oficinas de qualificação dos indígenas serão estendidas para outras aldeias. “Para isso, o apoio da Emater tem sido necessário. Nós só temos a agradecer”, disse.

Texto:
Kenny Teixeira - Emater

Nenhum comentário:

Briga em barco que retornava do Parana Miry termina em morte na orla de Itaituba

No fim a tarde do último (20), ocorreu um homicídio na orla, próximo o porto da Sonda. Segundo relatos de outros passageiros de ...

Postagens mais visitadas