25 de jan de 2013

Dilma desafia críticos e antecipa desconto na luz




A presidente Dilma Rousseff anunciou ontem em cadeia nacional de rádio e televisão que as contas de luz das famílias brasileiras cairão 18% e as do setor produtivo (indústria, agricultura, comércio e serviços) até 32%, já a partir de hoje. Os percentuais são maiores do que ela divulgara em setembro, também em rede nacional, e o prazo para vigência da medida foi antecipado em 13 dias. Em setembro, ela anunciara redução de 16,2% nas tarifas residenciais e de até 28% na indústria. A pretensão do governo era adotar a medida a partir de 5 de fevereiro. Ontem, em tom enfático e desafiador, a presidente classificou de "sem fundamento" as previsões de que o governo não conseguiria reduzir as tarifas de energia e descartou qualquer risco de racionamento energético, afirmando que o sistema brasileiro é "um dos mais seguros do mundo".
Num pronunciamento de oito minutos, Dilma subiu o tom das críticas aos que duvidaram da queda nas tarifas de energia elétrica e apostaram em racionamento, especialmente após o registro de apagões pelo país e a redução do nível de reservatórios de hidrelétricas com a seca.
- Acabo de assinar o ato que coloca em vigor, a partir de amanhã (hoje), uma forte redução na conta de luz de todos os brasileiros. Além de estarmos antecipando a entrada em vigor das novas tarifas, estamos dando índices de redução maiores do que o previsto e já anunciado - afirmou a presidente. - Isso significa menos despesas para cada um de vocês e para toda a economia do país. Vamos reduzir os custos do setor produtivo, e isso significa mais investimento, mais produção e mais emprego. Todos, sem exceção, vão sair ganhando.
Dilma assinou ontem uma medida provisória e um decreto para colocar em prática a redução de tarifas. Segundo a presidente, os consumidores atendidos pelas concessionárias que não aderiram ao plano do governo também serão beneficiados. Esses consumidores estão em Minas Gerais, São Paulo e Paraná.
A presidente disse que fracassaram as previsões de que o governo não conseguiria reduzir as tarifas ou que a queda seria menor do que o anunciado em setembro, por causa da estiagem, com a consequente redução do nível dos reservatórios das hidrelétricas e a entrada em operação das termelétricas. Segundo ela, "o Brasil não deixou de produzir um único quilowatt que precisava".
- Surpreende que, desde o mês passado, algumas pessoas, por precipitação, desinformação ou algum outro motivo, tenham feito previsões sem fundamento, quando os níveis dos reservatórios baixaram e as térmicas foram normalmente acionadas. Como era de se esperar, essas previsões fracassaram. Agora, com a volta das chuvas, as térmicas voltarão a ser menos exigidas. Cometeram o mesmo erro de previsão os que diziam, primeiro, que o governo não conseguiria baixar a conta de luz; depois passaram a dizer que a redução iria tardar e, por último, que ela seria menor que o índice que havíamos anunciado - disse.
Dilma afirmou esperar que, "em breve, até mesmo aqueles que foram contrários à redução da tarifa venham a concordar" com o que ela anunciou no pronunciamento. Para a presidente, "aqueles que são sempre do contra estão ficando para trás", e "o país avança sem retrocesso em meio a um mundo cheio de dificuldades".
- Erraram feio os que não acreditavam que era possível crescer e distribuir renda, os que pensavam ser impossível que dezenas de milhões de pessoas saíssem da miséria e os que não acreditavam que o Brasil virasse um país de classe média. Estamos vendo como erraram os que diziam meses atrás que não iríamos conseguir baixar os juros nem o custo da energia e tentavam amedrontar o nosso povo, entre outras coisas, com a queda do emprego e a perda do poder de compra do salário - disse.
Segundo Dilma, este ano, a produção de energia elétrica no país vai crescer 7%, com a entrada em funcionamento de novas usinas e linhas de transmissão. A presidente disse que, no ano passado, o governo colocou em operação 4 mil megawatts de energia e 2.780 quilômetros de linhas de transmissão. Em 2013, serão mais 8.500 megawatts e 7.540 quilômetros de linhas de transmissão.
- As perspectivas são as melhores possíveis. Com essa redução de tarifas, o Brasil, que é uma potência energética, passa a viver uma situação ainda mais especial. No setor elétrico, somos agora um dos poucos países que está ao mesmo tempo baixando o custo da energia e aumentando sua produção elétrica - disse.
"Nenhum risco a curto, médio ou longo prazo"
Dilma afirmou que as novas usinas e linhas de transmissão vão permitir dobrar em 15 anos a capacidade instalada de energia elétrica no país, que hoje é de 121 mil megawatts.
- Esse movimento simultâneo nos deixa em situação privilegiada no mundo. Isso significa que o Brasil vai ter energia cada vez melhor e mais barata. Significa que o Brasil tem e terá energia mais do que suficiente para o presente e para o futuro, sem nenhum risco de racionamento ou de qualquer tipo de estrangulamento no curto, no médio ou no longo prazo - disse a presidente. - Temos contratada toda a energia que o Brasil precisa para crescer, e bem, neste e nos próximos anos - completou, insistindo no discurso que a segurança energética no país foi conquistada a partir de 2004, quando houve uma restruturação do setor.
Dilma foi a primeira ministra de Minas e Energia do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e comandou esse processo. Segundo ela, houve uma correção das "grandes distorções que havia no setor elétrico" e o governo "voltou a investir fortemente na geração e na transmissão de energia".
- Nosso sistema é hoje um dos mais seguros do mundo, porque entre outras coisas temos fontes diversas de produção de energia, o que não ocorre na maioria dos países. Temos usinas hidrelétricas, nucleares, térmicas e eólicas. Nosso parque térmico, que utiliza gás, carvão e biomassa, foi concebido com a capacidade de compensar o nível baixo de água nos reservatórios das hidrelétricas. Praticamente todos os anos as térmicas são acionadas com menor ou maior exigência e garantem com tranquilidade o suprimento. Isso é usual, normal, seguro e correto.

Nenhum comentário:

Empreendedoras de Itaituba vencem Prêmio do Sebrae estadual

Por Jota Parente Empreendedoras de Itaituba estão entre as três vencedoras da etapa estadual do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios, premiação...

Postagens mais visitadas