12 de ago de 2013

Quadrilha envolvida em contrabando de peixes ornamentais da Amazônia é presa

Policiais Civis lotados na 52ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP), localizada em São Paulo de Olivença, município distante 985 quilômetros em linha reta de Manaus, com o apoio do 2º Pelotão do 8º Batalhão da Polícia Militar do local, prenderam na tarde deste domingo (11), por volta das 15h15, cinco pessoas, integrantes de uma quadrilha envolvida com o tráfico de peixes ornamentais da Amazônia.

Jeferson Salvador Barbosa, 30, Jeice Salvador Barbosa, 28, Alair Penador Pissango, 34, Frederico Palla de Souza, 23, e Irenildo Porto Pereira, 43, foram presos em flagrante no Aeroporto de São Paulo de Olivença no momento em que faziam o desembarque da mercadoria ilegal que seria transportada para a Colômbia.

A polícia chegou até eles por meio de denúncia anônima, feita ao disque-denúncia 190, informando que um avião modelo PT-JYS decolou do Aeroporto de Itaituba, no Pará, por volta das 7h da manhã de hoje e desembarcaria no Aeroporto do município de São Paulo de Olivença por volta de 15h desta tarde.

De acordo com o Chefe de Polícia daquele município, Carlos Alberto, a equipe de investigação realizou campana no aeroporto da cidade, a fim de capturar em flagrante os integrantes da quadrilha. “Aguardamos o avião pousar e a mercadoria começar a ser transportada até o veículo, que em seguida levaria os peixes até o porto da cidade, de onde seguiria até Letícia. Após constatarmos o início da movimentação suspeita, realizamos a abordagem e apreendemos os peixes que estavam armazenados em sacolas plásticas com oxigênio”, disse.

Durante a ação, cerca de 40 arraias e aproximadamente 300 peixes, distribuídos em 30 sacolas, foram apreendidos. A mercadoria está avaliada em aproximadamente R$ 48 mil. Na delegacia, Jeferson alegou que depositou na conta do piloto da aeronave, Frederico Souza, R$ 15 mil, referente ao transporte realizado do município de Itaituba, no Pará, com destino a São Paulo de Olivença, de onde após o desembarque seguiria de lancha com a mercadoria até o destino final, na Colômbia.
Ainda segundo Carlos Alberto, Jeferson se apresentou como responsável pela mercadoria e revelou que os peixes iriam ser transportados até a cidade de Letícia, na Colômbia.

Carlos Alberto alerta que esse tipo de crime é realizado com frequência no município e afirma que as investigações continuam para que todas as pessoas envolvidas sejam punidas de acordo com a Lei. “Esse tipo de crime acontece com frequência, pois esses peixes que são transportados dos Estados do Pará e Amazonas com destino a Colômbia, se procriam com outras espécies e se tornam um atrativo a mais nessa comercialização ilegal”, afirmou Alberto.

Jeferson, Jeice, Alair, Frederico, Irenildo foram autuados por Crime Ambiental, previsto no Artigo 29, parágrafo 1º inciso 3, da Lei nº 9.605/98, formação de quadrilha (Art. 288 do Código Penal) e contrabando (334 do CP). Eles ficarão presos na Delegacia daquele município à disposição da Justiça.
(Fonte: Ascom)

Nenhum comentário:

A pedido dos Munduruku, MPF intensifica atuação contra garimpo ilegal em terra indígena no Pará

O Ministério Público Federal (MPF) convocou reunião para esta sexta-feira (20) em Itaituba, no sudoeste do Pará, para levantar dados sobre...

Postagens mais visitadas