20 de set de 2013

Justiça manda parar obra de usina em MT para estudo de impacto aos índios

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) determinou a suspensão do licenciamento ambiental e das obras da Usina Hidrelétrica de Teles Pires, no rio Teles Pires, na divisa de Mato Grosso com o Pará, até que seja feito um estudo que avalie o impacto aos indígenas da região. A Companhia Hidrelétrica Teles Pires informou que já está recorrendo da decisão.

Para o Ministério Público Federal (MPF), que pediu à Justiça a suspensão da obra, a usina vai causar “irreversíveis impactos” sobre as etnias Kayabi, Apiaká e Munduruku, e que não foi considerada a inundação das corredeiras de Sete Quedas e do barramento do rio, área de reprodução de peixe migratórios como piraíba, pintado, pacu, pirarara e matrinxã, que são base da alimentação dos índios que vivem na bacia do rio.

A multa para o descumprimento é de R$ 500 mil por dia, conforme decisão provisória concedida pelo desembargador Souza Prudente. O pedido de suspensão ocorreu, segundo o MPF, porque não houve consulta prévia aos indígenas atingidos pela UHE, cujo reservatório fica nas cidades de Paranaíta, a 849 km de Cuiabá, e Jacareacanga (PA).

De acordo com o processo, o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) aceitou o Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (Eia/Rima) da empresa e, assim, emitiu a Licença Prévia (LP) e a Licença de Instalação sem que fosse feito Estudo do Componente Indígenas.
 
 o recurso ao TRF da 1ª Região, o Ministério Público argumenta que, desde que entrou com a ação, no dia 17 de julho de 2012, os problemas se agravaram por conta do desmatamento, iminente inundação de corredeiras, tornando-as inacessíveis aos povos indígenas, e a detonação das rochas naturais, “não só destruindo o patrimônio sagrado daqueles povos, mas expondo a riscos todos os moradores e comunidades ribeirinhas e visível impacto na qualidade da água por eles consumida”. Na decisão, o desembargador argumenta que os impactos já refletem negativamente nas comunidades indígenas, pela tensão social, aumento do fluxo migratório e diminuição da qualidade dos recursos naturais do qual necessitam para a própria subsistência. Ele cita ainda o fato de que a execução das obras de instalação do empreendimento tem caráter de irreversibilidade.

UHE Teles Pires
A usina será implantada na região do médio Teles Pires, a cerca de 330km de distância do rio Juruena, onde se forma o rio Tapajós.

O barramento localiza-se na divisa dos estados, a 46km acima da foz do rio dos Apiacás. O lago formado pela barragem terá cerca de 70 km de comprimento, no Teles Pires, e vai ocupar uma área de 152 km, terminando logo abaixo da foz do rio Santa Helena.
A UHE terá potência de 1.820 megawatts, o que dá para abastecer população de 2,7 milhões de famílias.

Nenhum comentário:

PM prende em Jacareacanga foragido da justiça de Itaituba

No ultimo domingo (13),  Policiais Militares da UIPP de Jacareacanga prenderam Valdinei Cardoso Costa (foto). Contra ele há um mandado d...

Postagens mais visitadas