30 de abr de 2014

O MISTÉRIO DO VOO DO AVIÃO INVISÍVEL QUE SAIU DE NOVO PROGRESSO EM FEVEREIRO E ATÉ HOJE NINGUÉM SABE ONDE FOI PARAR


Andressa Nadalim
Caro JK. O "Vôo do Avião Invisível" pelo menos aos olhos do Governo Federal, da Força Aérea, entre outros tantos órgãos envolvidos. Até quando teremos que implorar por ajuda? por respostas? Isso deveria ser um direito do cidadão brasileiro, mais se fosse para levantar a moral do governo? Ou votos então? Será que ainda estaria sem respostas? Provavelmente até ajuda financeira iriam oferecer, porque na foto precisamos ser bonitos certo? Ainda há que diga ter orgulho em ser brasileiro pois eu tenho é vergonha! Quantos mais iram pagar com suas vidas? E meu tio aonde foi parar? Ah, ele é um cidadão comum né? que falta vai fazer, temos tantos. Se não falarmos agora seremos apenas mais um caso do total descaso brasileiro. Então vamos todos juntos começar esta mobilização em busca do "Vôo do avião Invisível" Meu tio Daniel Martins Alves decolou de Novo Progresso com destino a Rondonópolis e depois Telemaco Borba e não chegou a nenhum destino. Aeronave Prefixo PR-JHR. 

Andressa Nadalim, sobrinha do piloto desaparecido

Entenda melhor o caso:

Daniel Martins Alves

É incrível este Brasil, o homem sumiu com o avião uma região que já foi registrados outros vários sumiços e as forças de segurança, de inteligência não conseguem achar sequer uma pista do paradeiro dele? Este caso, assim como outros desvela a precariedade da segurança tanto do espaço aéreo brasileiro quanto das forças de segurança e resgate na selva. Lamentável.
O desaparecimento do piloto de avião Daniel Martins, de Telêmaco Borba, na região dos Campos Gerais do Paraná, completou dois meses neste sábado (19).
Depois de dez dias procurando, a Força Aérea Brasileira (FAB) cancelou as buscas por falta de pistas. A família contratou pilotos particulares, mas eles também não encontraram vestígios da aeronave e de Daniel. De acordo com a FAB, nos últimos 15 anos, 12 aviões sumiram na mesma região, entre o Pará e o norte do Mato Grosso. 
O piloto, de 49 anos, está desaparecido desde o dia 19 de fevereiro. Ele saiu de Novo Progresso, no Pará, às 12h. Por volta das 16h, ele pararia em Rondonópolis, no Mato Grosso, para abastecer e, em seguida, seguiria para Telêmaco Borba, onde chegaria no início da noite. De acordo com a família, Daniel decolou, mas não chegou a fazer a primeira parada.
Daniel morava em Telêmaco Borba e viajou para o Pará onde compraria propriedades na região. Com oito anos de experiência, ele havia feito o mesmo trajeto três vezes na aeronave.
No dia 18 de março, outro avião desapareceu na mesma região. No momento, a FAB concentra as buscas neste caso. Ainda de acordo com a Força Aérea, a maioria das buscas é cancelada porque faltam pistas sobre os desaparecimentos.
Fonte: G1 Campos Gerais

A pedido dos Munduruku, MPF intensifica atuação contra garimpo ilegal em terra indígena no Pará

O Ministério Público Federal (MPF) convocou reunião para esta sexta-feira (20) em Itaituba, no sudoeste do Pará, para levantar dados sobre...

Postagens mais visitadas