18 de out de 2016

Adepará fiscaliza etapas do vazio sanitário da soja em diversas regiões

Por Camila Moreira
A segunda e a terceira etapas do vazio sanitário da soja estão em vigor simultaneamente em diversas regiões do Estado. A segunda etapa, que começou em 1º de setembro, segue até o próximo dia 30 de outubro, nas microrregiões de Paragominas, Bragantina, Guamá, Tomé- Açu, Salgado, Tucuruí, Castanhal, Arari, Belém, Cametá e Furos de Breves e de Portel. A terceira etapa, iniciada em 1º de outubro, segue até 30 de novembro, nas microrregiões de Santarém, Almeirim, Óbidos, Itaituba (municípios de Rurópolis e Trairão) e Altamira (exceto Castelo dos Sonhos e Cachoeira da Serra).
Durante o vazio sanitário, os produtores rurais são proibidos de manter qualquer planta viva de soja. O objetivo é não permitir a instalação do fungo causador da Ferrugem Asiática, praga que ataca as lavouras e pode causar grandes prejuízos à produção. Cabe à Agência de Defesa Agropecuária (Adepará) regulamentar e fiscalizar o cumprimento do vazio sanitário nas propriedades, mas o comprometimento dos produtores e a vigilância entre eles são fundamentais para o sucesso da proteção.
O Pará é o único Estado brasileiro que tem três etapas de vazios da soja, devido às condições climáticas. Pará e Maranhão são Estados tratados como casos especiais. Para fiscalizar o vazio, diversas equipes da Adepará estão em campo. Elas visitam as fazendas que plantaram soja para verificar se há presença de planta de soja viva. Se houver, o produtor rural é alertado sobre a legislação, e um prazo é estipulado para a retirada do vegetal. Depois há um retorno à mesma propriedade, para saber se o produtor eliminou as plantas.
A soja viva é hospedeira do fungo Pharkopsora Pachyrhizi, causador da Ferrugem Asiática, que acarreta prejuízo na produtividade em torno de 70%. “O vazio sanitário é muito importante, pois visa reduzir o inócuo nos primeiros plantios das safras de soja, diminuindo assim a incidência da doença”, explica o gerente de Pragas de Importância Econômica da Adepará, Wilson Emílio da Silva.
Agencia Pará

Briga em barco que retornava do Parana Miry termina em morte na orla de Itaituba

No fim a tarde do último (20), ocorreu um homicídio na orla, próximo o porto da Sonda. Segundo relatos de outros passageiros de ...

Postagens mais visitadas