11 de abr de 2012

Condenado pela Justiça em Rondônia está preso em Santarém



Condenado por assassinato, Daniel Martins da Silva foi localizado em Santarém e será levado para Rondônia, onde deverá cumprir o restante da pena


Operação coordenada por policiais civis do Núcleo de Apoio à Investigação (NAI), da Região do Baixo e Médio Amazonas, e da 16ª Seccional Urbana de Santarém, resultou na prisão de Daniel Martins da Silva, 33 anos, apelidado de "Polaco", natural de Ji-Paraná, Estado de Rondônia. Ele teve a prisão preventiva decretada pela Justiça Pública da Comarca de Machadinho do Oeste (RO), onde foi condenado a 14 anos de prisão pela prática de homicídio.

 
Daniel foi preso na época em que praticou o crime e, após condenado, fugiu do presídio. Atualmente, ele vivia em Santarém, no Pará, onde utilizava identidade falsa, com o nome de Robson de Assis Pereira. Ele mantinha há cerca de um ano e meio união estável com uma advogada.

 

Ao ser capturado, Daniel informou seu nome verdadeiro e contou ter sido preso por três vezes em Rondônia. A primeira foi na cidade de Cacoal, onde responde por roubo. Em outra ocasião, ele foi preso em Costa Marques por tráfico de drogas. A terceira prisão ocorreu na cidade de Machadinho do Oeste, por acusação de homicídio.


 
No primeiro caso, Daniel da Silva foi condenado e já pagou a pena. Do segundo crime acabou absolvido. Já no terceiro processo, ele foi pronunciado e submetido ao Tribunal do Júri, onde acabou condenado a 14 anos de prisão em regime fechado.


 
Ele conseguiu fugir do presídio da cidade de Machadinho do Oeste e foi morar em Santarém. Ele contou que, durante a fuga, passou pela cidade de Manaus, no Amazonas, onde comprou por R$ 500,00 a Carteira de Identidade falsa, além de um CPF e um título eleitoral. Todos os documentos estão em nome de Robson de Assis Pereira.
 


Ao chegar a Santarém, com os documentos, o condenado abriu conta no Banco do Brasil e passou a usar cartões de crédito e cheques, sem levantar quaisquer suspeitas. Com os documentos, Daniel Silva também se sindicalizou no Sindicato dos Taxistas de Santarém e ganhou a carteira de taxista, que foi apreendida.
 


A carteira de taxista, conforme os policiais civis, apresenta irregularidades. Conforme o investigador Marcos Rebouças, do NAI do Oeste do Pará, a data de filiação de Daniel na instituição sindical é retroativa a 11 de abril de 2007, o que lhe deu direito a crédito nas instituições bancárias da cidade.
 


Em Santarém, Daniel chegou a ser preso sob suspeita de estupro. Indiciado com o nome de Robson de Assis Pereira, ele ficou durante quatro meses no presídio de Santarém, mas acabou inocentado da acusação de estupro.
 


Quanto ao homicídio, pelo qual foi preso, ele nega a autoria, alegando que foi envolvido no caso. Agora, Daniel será enviado para Rondônia, onde continuará cumprindo a pena por homicídio.


Texto: Walrimar Santos - Polícia Civil










Nenhum comentário:

A pedido dos Munduruku, MPF intensifica atuação contra garimpo ilegal em terra indígena no Pará

O Ministério Público Federal (MPF) convocou reunião para esta sexta-feira (20) em Itaituba, no sudoeste do Pará, para levantar dados sobre...

Postagens mais visitadas