23 de abr de 2012

Polícia Civil e Adepará apreendem meia tonelada de peixes em Almeirim

Peixes apreendidosMomento da apreensãoA Polícia Civil divulgou nesta segunda-feira, 23, a apreensão de mais de 500 quilos de peixes da espécie Tamuatá em Almeirim, noroeste do Estado. O peixe foi encontrado em desacordo com a legislação estadual e federal de defesa e inspeção de produtos de origem animal.

O pescado não tinha Selo de Certificação Estadual (SIE) ou Federal (SIF) nem tinha qualquer processamento. Além disso, a carga estava "in natura" acondicionada em oito isopores de 160 litros. Tudo seria embarcado para transporte sem qualquer fiscalização sanitária com destino à Belém, onde seria comercializados diretamente à população.

A apreensão foi realizada pela equipe de policiais civis da Delegacia de Almeirim composta dos investigadores Max Tente e Carlos Eduardo e pelo escrivão João Sousa, sob coordenação da delegada Adriana Magno, titular da Delegacia, e uma guarnição da Polícia Militar comandada pelo sargento Walcir, do Destacamento de Almeirim, em ação conjunta com a Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará). A delegada Adriana Magno, titular da Delegacia de Almeirim, explica que a atividade de comercialização e transporte de produtos animais é regida no âmbito estadual pela Lei nº 6.679, de 10 de Agosto de 2004. A legislação estabelece as normas de proteção e defesa do consumidor e outras instituições afins, no sentido de buscar a formalização dos estabelecimentos industriais de produtos de origem animal e, assim, proporcionar adequação às condições higiênicas sanitárias dos estabelecimentos. "A quantidade de pescado apreendido descaracteriza consumo e se enquadra em comércio que só se permite através de estabelecimento regularizado e cadastrado nos órgãos públicos, o que não foi observado pelo codutor e proprietário do pescado fiscalizado nessa ação", detalhou.

Ela ressaltou que a quantidade de pescado chamou a atenção pelo volume a ser embarcado em transporte inadequado, sem nota-fiscal, sem responsável técnico e sem as medidas básicas de conservação e boas práticas, entre outras irregularidades que desrespeitam a legislação animal de defesa e inspeção. "A norma estabelece as medidas e padroniza o processamento de pescado para transporte e comercialização, e ainda determina outras sanções. Já a legislação sanitária prevê multa e a apreensão do produto como foi realizado na ação", assevera Adriana Magno. Face às irregularidades, a equipe de fiscais da Adepará autuou o responsável pela carga. A Polícia Civil lavrou o auto de apreensão do produto que, posteriormente, foi doado, por ser produto altamente perecível, à população carente dos bairros do Palhal e do Buritizal. O trabalho atende à determinação do superintendente do Baixo e Médio Amazonas, delegado Gilberto Aguiar, sob determinação do diretor de Polícia do Interior, delegado Silvio Maués.

Fonte: ASCOM/Policia Civil.

Nenhum comentário:

PM prende em Jacareacanga foragido da justiça de Itaituba

No ultimo domingo (13),  Policiais Militares da UIPP de Jacareacanga prenderam Valdinei Cardoso Costa (foto). Contra ele há um mandado d...

Postagens mais visitadas