15 de abr de 2014

Famílias vão a Brasília pedir apoio nas buscas de avião desaparecido no PA


Jéssica Feltrin (Foto: Luana Leão/G1) 
Filha do piloto, Jéssica Feltrin: 'Precisamos
dessa liberação' (Foto: Luana Leão/G1)

Uma comitiva de dez pessoas, formada por políticos e familiares dos passageiros do avião bimotor desaparecido no sudoeste do Pará, viaja na tarde desta segunda-feira (14) para Brasília, para pedir apoio ao ministro da Defesa, Celso Amorim. Eles querem a liberação de mais militares da Aeronáutica, Marinha e do Exército nas operações de busca.

O avião bimotor desapareceu quando seguia de Itaituba para Jacareacanga, no dia 18 de março. A aeronave transportava o piloto, um motorista e três técnicas de enfermagem que seguiam para uma aldeia dos índios Munduruku.

O vereador de Itaituba, João Paulo Maister (PT), que acompanha a comitiva na viagem com mais cinco vereadores do município, disse que a reunião no Ministério da Defesa foi articulada por políticos da região e deve ocorrer na tarde de terça-feira (15). O objetivo é melhorar a dinâmica das buscas. "A gente tem observado que as buscas aéreas, até agora, não estão surtindo efeito e isso já se vão quase 30 dias. Lá é uma região de floresta densa e a gente precisa do exército brasileiro, inclusive de operação especializada. Temos o BIS que é o Batalhão de Infantaria de Selva, que pode dar esse suporte”, explica.

Ainda segundo o vereador, como não há pistas se o avião caiu na água ou na mata, é necessária a presença da Aeronáutica e da Marinha. “Como o rio Tapajós está cheio, há um mar de água lá também. Então, a própria Marinha pode ajudar, porque não temos certeza se caiu na selva ou na água. Por isso estamos com essa ação em Brasília, para que o ministro da Defesa possa empreender além da Aeronáutica, a Marinha e o Exército nessa operação", completou.

De acordo com a filha do piloto, Jéssica Feltrin, 120 militares do Exército estão em Itaituba preparados para entrar na mata, mas aguardam a autorização do Ministério da Defesa. “A gente espera conseguir um apoio maior nas buscas, conseguir a liberação dos 120 homens do Exército que estão preparados em Itaituba, apenas aguardando essa liberação”.

A ação de mobilização envolve várias cidades do oeste e sudoeste paraense. Na manhã desta segunda-feira, a comissão que segue para Brasília recebeu um requerimento da Câmara Municipal de Santarém, que solicita ao Ministério da Defesa apoio e ampliação das equipes de buscas. "Todos estão se mobilizando, as forças políticas dessa região fazem contato, nos convidam e estamos levando isso tudo para Brasília", completou Jéssica.

Além de voluntários, 14 militares do Exército e seis bombeiros fazem as buscas pela selva. A FAB havia suspendido as buscas pelo bimotor no dia 3 de abril, mas no dia seguinte o helicóptero de resgate Black Hawk retornou para a base de Jacareacanga para continuar a operação, que também conta com apoio de outra aeronave, o SC-105 Amazonas do Esquadrão Pelicano.
Segundo o Salvaero da Região Amazônica, unidade da Aeronáutica que coordena as buscas no norte do país, no total, já foram contabilizadas 198 horas de voo e mais de 23.726,26 km² sobrevoados.
Segundo a FAB, a aeronave de patrulha P-3 Orion, que possui sensores capazes de identificar partes metálicas na mata fechada da região, atuou no dia 24 de março nas buscas.
Entenda o caso
A aeronave decolou do aeroporto de Itaituba às 11h40 do dia 18 de março e sumiu 1h20 depois de o piloto ter feito o último contato pelo rádio. Desde então, a Força Aérea Brasileira (FAB) realizava buscas na região. Além das buscas aéreas, voluntários, que incluem moradores de Jacareacanga, funcionários do Distrito Sanitário Indígena e indígenas da tribo Munduruku também procuram diariamento na mata.
Mensagem 1 desaparecida (Foto: Luana Leão/G1) 
Passageira enviou mensagem de dentro do avião
ao tio (Foto: Luana Leão/G1)
 
Uma das passageiras chegou a mandar três mensagens de celular ao tio avisando que o avião passava por problemas. No último SMS, Rayline Campos informou o tio que o motor estava parando.

A FAB chegou a anunciar a suspensão das buscas por tempo indeterminado, mas ao voltar para a base, em Manaus, a tripulação da aeronave teria avistado algo e decidiu retomar as buscas. O órgão militar informou ainda que a averiguação foi realizada sob condições meteorológicas não ideais e foi interrompida, mas em novas buscas, o avião continuou desaparecido . O Black Hawk ficará em Jacareacanga de sobreaviso para atuar em caso de acionamento.

De acordo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a situação da aeronave desaparecida, de matrícula PR-LMN, estava regular. A Inspeção Anual de Manutenção (IAM) e o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) estavam em dia.

Fonte: G1/Santarém
 

A pedido dos Munduruku, MPF intensifica atuação contra garimpo ilegal em terra indígena no Pará

O Ministério Público Federal (MPF) convocou reunião para esta sexta-feira (20) em Itaituba, no sudoeste do Pará, para levantar dados sobre...

Postagens mais visitadas