18 de jan de 2012

Saúde: Populações do campo e da floresta ganham política de saúde

O minstro da Saúde, Alexandre Padilha, assinou no dia 2 de janeiro, portaria que institui a Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta (PNSIPCF), que pretende melhorar o acesso aos serviços do sistema público e conveniado e reduzir riscos à saúde devido ao trabalho no campo.

Serão beneficiados camponeses, agricultores familiares, trabalhadores rurais assalariados, temporários, assentados e acampados.Também integram esse grupo as comunidades de quilombos, populações que habitam ou usam reservas extrativistas, e também ribeirinhos e pessoas atingidas por barragens, entre outras.

A portaria prevê também o fortalecimento do sistema de vigilância em saúde, do monitoramento e da avaliação tecnológica sobre problemas de saúde decorrentes do uso de agrotóxicos e sementes transgênicas.

O texto da portaria foi submetido e aprovado pela Comissão Intergestores Tripartite (CIT), que reúne representantes da gestão federal, estadual e municipal do Sistema Único de Saúde (SUS).

“É fundamental estabelecer políticas diferentes para populações diferentes”, disse Padilha, ao assinar a portaria. “Umas das ações que devem ser implementadas é a ampliação de centros especializados para a saúde do trabalhador. Queremos levar, especialmente para as regiões Norte e Nordeste, saúde de melhor qualidade para as populações do campo e da floresta, como a prevenção dos cânceres do colo do útero e de mama entre as mulheres”, completou. Ele reforçou que, a partir de agora, todos os gestores terão de aplicar as diretrizes da política.

O documento contempla diversos objetivos específicos, entre eles, a garantia do acesso aos serviços da atenção básica à alta complexidade, urgência e de emergência, bem como a redução das vulnerabilidades em saúde das populações do campo e da floresta.

O controle social também é um dos focos da política, como a expansão da participação das representações dessas populações nos conselhos de saúde estaduais, distrital e municipais. Além disso, os gestores devem estimular e apoiar processos de educação e informação sobre o direito à saúde.

Devem ser promovidas também ações nas áreas de informação e comunicação, bem como de incentivo à pesquisa e estudos sobre os riscos à saúde dessa população, sempre considerando as especificidades de geração, raça/cor, gênero, etnia e orientação sexual.

Com base nessa política, as estratégias a serem desenvolvidas devem conter ações para a valorização de práticas e conhecimentos tradicionais e de ambientes saudáveis.

O ministro assinou também uma resolução que define o Plano Operativo da Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta, que deve orientar a implementação de ações estratégicas nas esferas de gestão federal, estadual e municipal.

 

Nenhum comentário:

JURUTI: Promotoria ajuíza Ação contra 14 reús no caso “mensalinho de Juruti”

A promotoria de Justiça de Juruti ajuizou Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa em face do ex-prefeito municipal, três ve...

Postagens mais visitadas