12 de ago de 2015

Confissões de generais: a verdade sobre o Golpe de 64


O Conselho Estadual de Cultura aprovou recentemente o estipêndio da reedição de Confissões de Generais – livro que publiquei em 1989. Julgou-o na categoria “livro clássico de autor goiano”. Tinha o subtítulo A intervenção militar na política brasileira. Nessa reedição o substituí por A verdade sobre o Golpe de 64. A substituição se justifica pelo fato de que a tomada do poder naquele ano por militares e civis a eles historicamente ligados constitui o ponto nuclear do livro. Há nele narrativas pormenorizadas de várias outras intervenções castrenses, como a implantação da ditadura do Estado Novo em 1937, a derrubada de Getúlio Vargas em 1945, as pressões que resultaram no suicídio dele em 1954, as tentativas para impedir a candidatura, a eleição e a posse de Juscelino Kubistchek – que provocaram o contragolpe do general Teixeira Lott – em 1955, as chamadas rebeliões de Jacareacanga e Aragarças para derrubar JK em 1956, a deposição do governador Mauro Borges em 26 de novembro de 1964, os 41 atentados praticados por militares golpistas durante a ditadura pós-64 a fim  de impedir a redemocratização do País (dos quais o mais famoso foi o do Riocentro), a ação conspiratória do ministro do Exército Silvio Frota contra o próprio presidente Ernesto Geisel, que se viu obrigado a contragolpear demitindo-o energicamente. Mas alguns importantes fatos no plano de ações militares que se autodenominaram revoluções, ocorridas antes de 1930, não foram objeto de enfoque do livro. Daí o subtítulo genérico ter sido substituído. O de 64 (que os seus autores denominaram Movimento e até mesmo Revolução de 31 de Março), como afirmei, é o núcleo de Confissões de Generais.
Fiz questão de fazer prova de tudo que o livro se propõe demonstrar.
A facilidade que os golpistas tiveram para conspirar constitui a primeira demonstração. É incrível a ingenuidade de um dos mais importantes membros do governo João Goulart – o secretário de Imprensa Raul Riff, muito influente e considerado inteligentíssimo. Ele viu no aeroporto do Galeão a sra. Laurita Mourão, residente em Montevideu e que mais tarde aqui no  veio a se revelar boa escritora. Em face do sobrenome, perguntou-lhe: o que a sra. é do general Olímpio Mourão?  Ela respondeu: “Sou filha dele.” O prestigioso auxiliar de Jango então lhe diz: “Filha? Pois então, d. Laurita, é bom que a senhora saiba: seu pai está em franca conspiração contra o governo. Por isso vai ser afastado do comando da 2ª Região Militar.
Laurita contesta. Não podia ser verdade. Afinal, quem ignorava que seu pai tomara decidida posição a favor da posse de Jango na crise de agosto-setembro de 1961?
Na noite daquele mesmo dia ela voa para São Paulo. Conta ao pai general toda a conversa com Riff.
Eis o que registra o general Mourão no seu livro de memórias:
“Aí eu fiquei bambo. Não dormi a noite inteira. Pior coisa não podia me acontecer. Amanhã eu vou relatar isto ao meu Estado Maior Revolucionário e ao Mena Barreto. Meu Deus, que devo fazer?”
Mourão fica a arquitetar uma forma de demonstrar lealdade ao governo. A conversa de Riff com Laurita tirou-lhe o sossego.
Registra no seu diário:
“No dia 8 telefonei ao Pery dizendo-lhe que eu não estava com muita vontade de comparecer a qualquer solenidade, porque era certo haver algum orador indiscreto atacando João Goulart e eu não toleraria. Fiz isto de propósito porque imaginei se algum orador fizer isto retiro-me escandalosamente da solenidade para me limpar com o governo e não perder o comando.
No dia seguinte executei o plano com perfeição.”
De fato. De forma espetaculosa levantou-se quando um orador atacava violentamente João Goulart, em solenidade no Palácio 9 de Julho. Fez um protesto em voz alta, chamou para acompanhá-lo seus comandados que ali estavam.  Gritou para eles:
“Levantem-se, vamos nos retirar daqui. Não admito insultos contra o Chefe das Forças Armadas, o Presidente João Goulart.”
Deu certo para ele. Limpou a barra com o governo. E continuou a conspirar. E acabou sendo o detonador do golpe contra Jango, quando estava no comando da 4ª Região Militar de Minas Gerais.
No artigo de depois de amanhã relatarei vários outros episódios. A história do Golpe de 64 tem lances interessantíssimos.
 * Eurico Barbosa, escritor, membro da AGL e da Associação Nacional de Escritores, advogado, jornalista.

Home Itaituba EM ITAITUBA: "NEGO DRAMA" VELHO CONHECIDO DA POLICIA, FOI ALVEJADO À TIROS NO BAIRRO PIRACANÃ. EM ITAITUBA: "NEGO DRAMA" VELHO CONHECIDO DA POLICIA, FOI ALVEJADO À TIROS NO BAIRRO PIRACANÃ.

Na manhã  desta sexta-feira (20), por volta das 07:30 horas, no bairro piracanã onde "Nego Drama" um velho conhecido da Polici...

Postagens mais visitadas