12 de ago de 2015

Confissões de generais: a verdade sobre o Golpe de 64


O Conselho Estadual de Cultura aprovou recentemente o estipêndio da reedição de Confissões de Generais – livro que publiquei em 1989. Julgou-o na categoria “livro clássico de autor goiano”. Tinha o subtítulo A intervenção militar na política brasileira. Nessa reedição o substituí por A verdade sobre o Golpe de 64. A substituição se justifica pelo fato de que a tomada do poder naquele ano por militares e civis a eles historicamente ligados constitui o ponto nuclear do livro. Há nele narrativas pormenorizadas de várias outras intervenções castrenses, como a implantação da ditadura do Estado Novo em 1937, a derrubada de Getúlio Vargas em 1945, as pressões que resultaram no suicídio dele em 1954, as tentativas para impedir a candidatura, a eleição e a posse de Juscelino Kubistchek – que provocaram o contragolpe do general Teixeira Lott – em 1955, as chamadas rebeliões de Jacareacanga e Aragarças para derrubar JK em 1956, a deposição do governador Mauro Borges em 26 de novembro de 1964, os 41 atentados praticados por militares golpistas durante a ditadura pós-64 a fim  de impedir a redemocratização do País (dos quais o mais famoso foi o do Riocentro), a ação conspiratória do ministro do Exército Silvio Frota contra o próprio presidente Ernesto Geisel, que se viu obrigado a contragolpear demitindo-o energicamente. Mas alguns importantes fatos no plano de ações militares que se autodenominaram revoluções, ocorridas antes de 1930, não foram objeto de enfoque do livro. Daí o subtítulo genérico ter sido substituído. O de 64 (que os seus autores denominaram Movimento e até mesmo Revolução de 31 de Março), como afirmei, é o núcleo de Confissões de Generais.
Fiz questão de fazer prova de tudo que o livro se propõe demonstrar.
A facilidade que os golpistas tiveram para conspirar constitui a primeira demonstração. É incrível a ingenuidade de um dos mais importantes membros do governo João Goulart – o secretário de Imprensa Raul Riff, muito influente e considerado inteligentíssimo. Ele viu no aeroporto do Galeão a sra. Laurita Mourão, residente em Montevideu e que mais tarde aqui no  veio a se revelar boa escritora. Em face do sobrenome, perguntou-lhe: o que a sra. é do general Olímpio Mourão?  Ela respondeu: “Sou filha dele.” O prestigioso auxiliar de Jango então lhe diz: “Filha? Pois então, d. Laurita, é bom que a senhora saiba: seu pai está em franca conspiração contra o governo. Por isso vai ser afastado do comando da 2ª Região Militar.
Laurita contesta. Não podia ser verdade. Afinal, quem ignorava que seu pai tomara decidida posição a favor da posse de Jango na crise de agosto-setembro de 1961?
Na noite daquele mesmo dia ela voa para São Paulo. Conta ao pai general toda a conversa com Riff.
Eis o que registra o general Mourão no seu livro de memórias:
“Aí eu fiquei bambo. Não dormi a noite inteira. Pior coisa não podia me acontecer. Amanhã eu vou relatar isto ao meu Estado Maior Revolucionário e ao Mena Barreto. Meu Deus, que devo fazer?”
Mourão fica a arquitetar uma forma de demonstrar lealdade ao governo. A conversa de Riff com Laurita tirou-lhe o sossego.
Registra no seu diário:
“No dia 8 telefonei ao Pery dizendo-lhe que eu não estava com muita vontade de comparecer a qualquer solenidade, porque era certo haver algum orador indiscreto atacando João Goulart e eu não toleraria. Fiz isto de propósito porque imaginei se algum orador fizer isto retiro-me escandalosamente da solenidade para me limpar com o governo e não perder o comando.
No dia seguinte executei o plano com perfeição.”
De fato. De forma espetaculosa levantou-se quando um orador atacava violentamente João Goulart, em solenidade no Palácio 9 de Julho. Fez um protesto em voz alta, chamou para acompanhá-lo seus comandados que ali estavam.  Gritou para eles:
“Levantem-se, vamos nos retirar daqui. Não admito insultos contra o Chefe das Forças Armadas, o Presidente João Goulart.”
Deu certo para ele. Limpou a barra com o governo. E continuou a conspirar. E acabou sendo o detonador do golpe contra Jango, quando estava no comando da 4ª Região Militar de Minas Gerais.
No artigo de depois de amanhã relatarei vários outros episódios. A história do Golpe de 64 tem lances interessantíssimos.
 * Eurico Barbosa, escritor, membro da AGL e da Associação Nacional de Escritores, advogado, jornalista.

Empreendedoras de Itaituba vencem Prêmio do Sebrae estadual

Por Jota Parente Empreendedoras de Itaituba estão entre as três vencedoras da etapa estadual do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios, premiação...

Postagens mais visitadas