5 de jan de 2017

Itaituba: Taxista reage a assalto e é assassinado com um tiro


O crime aconteceu por volta das 20h30 da última quarta-feira (04), em uma venda de churrasquinho no bairro da Floresta, periferia de Itaituba. O comerciante, que prefere não ter o nome revelado, contou que estava no local quando os bandidos chegaram de moto e anunciaram o assalto. “Eles chegaram e disseram ‘é assalto’. Eu, como não tenho celular, só virei e corri pra dentro. Em poucos segundos, ouvi só o tiro. Quando saí, o ‘Raposão’ já estava no chão, morrendo”, resumiu o comerciante.

Para a classe dos taxistas de Itaituba, foi uma resposta rápida da policia, que conseguiu
Henrique: confessou que atirou no motorista Raposão
prender os envolvidos em tempo recorde. “Queremos agradecer, principalmente à Polícia Militar, que agiu rápido e mostrou serviço em pouco tempo. Também queremos agradecer à Polícia Civil, que está finalizando o procedimento. Agora, esperamos uma pronta resposta da Justiça. Vimos que são ‘meninos novos’, mas que vão ter que responder pelo crime. É o que esperamos que aconteça”, disse o taxista José Felício, presidente da Cooperativa de Taxistas de Itaituba (Cootax).

O taxista Antonio José Alves de Sousa, de 65 anos de idade, conhecido por “Raposão”, estava na profissão há mais de duas décadas e complementava a renda fazendo pequenos trabalhos de garçom. No intervalo do trabalho, ele parou para comer um churrasquinho e foi abordado pelos assaltantes. Ele teria se recusado a entregar o celular e ainda tentou reagir, mas foi atingido por um tiro no tórax e morreu no local.

A Polícia Militar foi acionada e fez diligências pela cidade e conseguiu fazer a detenção de três pessoas. Henrique Santos da Silva, de 19 anos, foi apontado como autor do disparo. Jairo Silva Costa, de 32 anos, é o dono da moto usada na fuga. A arma pertenceria ao terceiro, identificado como Heidelberg Gonçalves Fernandes, de 21 anos. Um quarto envolvido, que teria pilotado a moto, é menor de idade e está foragido. A polícia agora tenta descobrir onde está a arma usada no crime. 

Complemento – Em depoimento, Henrique confessou ao delegado Djalma Pereira que foi autor do disparo que matou o taxista “Raposão”. Ele também admitiu participação direta na morte de um professor, crime ocorrido ano passado, no bairro Jardim das Araras, em Itaituba. Alguns detalhes chamaram a atenção da polícia. Entre eles, a tatuagem de palhaço nas costas do assassino, símbolo usado por bandidos que matam policiais.



Briga em barco que retornava do Parana Miry termina em morte na orla de Itaituba

No fim a tarde do último (20), ocorreu um homicídio na orla, próximo o porto da Sonda. Segundo relatos de outros passageiros de ...

Postagens mais visitadas