4 de jul de 2016

Operação desarticula a maior quadrilha de desmatamento e grilagem na Amazônia.

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Polícia Federal, o Ministério Público Federal e a Receita Federal deflagraram hoje (30) uma operação para desarticular a maior organização criminosa especializada em desmatamento ilegal e grilagem de terras públicas federais na Amazônia brasileira. De acordo com a Receita Federal, a quadrilha movimentou mais de R$ 1 bilhão entre 2012 e 2015.

Batizada de Rios Voadores, a operação foi deflagrada nos municípios de Altamira e Novo Progresso, no Pará, e nos estados de São Paulo, Santa Catarina, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Noventa e cinco policiais federais,15 auditores da Receita e 32 analistas do Ibama, com o apoio de duas aeronaves, começaram a cumprir hoje 51 medidas judiciais: 24 prisões preventivas, 9 conduções coercitivas e 18 mandados de busca e apreensão em empresas e residências.

A quadrilha está sendo investigada há dois anos. O principal alvo da operação é o pecuarista paulista Antonio José Junqueira Vilela Filho, suspeito de ter desmatado mais de 29 mil hectares entre 2012 e 2014. Ele ainda não foi preso e é considerado foragido pela polícia. Vilela Filho é acusado de crimes como organização criminosa, desmatamento ilegal, grilagem, ocultação de vantagens econômicas, entre outros. Segundo os investigadores, o pecuarista criou empresas de fachada e usou a família para lavar o dinheiro ilícito. Além dos processos criminais, Vilela Filho deverá pagar multa de R$ 119 milhões pelos crimes ambientais.


O diretor de Proteção Ambiental do Ibama, Luciano Evaristo, disse que o grupo criminoso agia de forma organizada, como uma empresa. “Estamos lidando com o crime organizado, com gente que investe pesado em tecnologia.” A organização está dividida em núcleos: um operacional, que faz o desmatamento; um para a compra e venda de áreas desmatadas ilegalmente; um financeiro e um núcleo familiar, para a dissimulação das vantagens econômicas obtidas ilegalmente. Além de desmatar as áreas invadidas, o grupo arrendava as terras para atividade agropecuária.

Os núcleos, segundo a investigação, são subdivididos em grupos como o de agenciadores de mão de obra, de gerentes das fazendas desmatadas ilegalmente, dos testas de ferro e dos agrimensores, responsáveis por fazer cadastros ambientais fraudulentos.


Ajuda dos índios Kaiapó
Segundo Evaristo do Ibama, os índios Kaiapó que vivem na região foram fundamentais para a operação. Em março 2014, 40 lideranças da etnia denunciaram para o Ibama o desmatamento no interior e no entorno da Terra Indígena Menkragnoti, em Altamira.

Quando a equipe do instituto buscou as áreas desmatadas em imagens de satélites, não as encontrou. Ao chegar ao local, a equipe viu um novo tipo de desmatamento, em que os criminosos “comem” a floresta por baixo e deixam uma cobertura vegetal que “engana” os satélites que monitoram a Amazônia. “A polícia apurou que a quadrilha tinha profissionais de geoprocessamento, que entendem de satélites, analisam os dados do Inpe [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] e organizam o desmatamento”, disse Evaristo.
fonte: Agência Brasil/ Jornal do Brasi
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Jacareacanga: ACUSADOS DE TRÁFICO DE DROGAS SÃO PRESOS.

  No final da tarde de hoje (25), Policiais Militares de Jacareacanga, estouraram mais um ponto de droga, na cidade de Jacareacanga, s...

PortalBuré

Portal Buré © 2016. Tecnologia do Blogger.